canal teatro mf logo

O melhor do teatro está aqui

Search

Mel Lisboa volta a interpretar Rita Lee a pedido da cantora

Atriz protagoniza “Rita Lee – Uma Autobiografia Musical”, peça inspirada no livro da artista e que já tem várias sessões com ingressos esgotados

Por Ubiratan Brasil

Quem acessa o site de venda de ingressos ou mesmo telefona na bilheteria do Teatro Porto descobre a mesma notícia: não há bilhetes para as primeiras sessões de Rita Lee – Uma Autobiografia Musical que estreia nesta sexta, 26. Motivos para festejar não faltam, mas tamanha ansiedade do público também aumenta a responsabilidade para o elenco, especialmente para Mel Lisboa, que volta a viver a cantora no palco.

Para entender melhor como Mel chegou ao espetáculo que está para estrear, é preciso voltar no tempo, mais precisamente em 2014. Naquele ano, um tanto desconfiada de que faria bem o papel, Mel protagonizou Rita Lee Mora ao Lado, musical inspirado no livro de Henrique Bartsch que contava a história da cantora a partir do ponto de vista de uma vizinha fictícia.

Mel Lisboa em Rita Lee – Uma Autobiografia Musical. Foto Priscila Prade

A certeza de que estava no caminho certo veio quando a própria Rita Lee veio assistir a uma sessão, sem avisar. Ficou maravilhada, cumprimentou todo o elenco e tratou Mel com muito carinho. “Ela deve ter gostado, pois voltou uns dias depois, acompanhada do marido, o músico Roberto de Carvalho“, relembra Mel, cuja performance garantiu meses de casa cheia, além de render vários prêmios.

O musical ficou dois anos em cartaz, em vários teatros e cidades. Encerrada a última temporada, Rita insistiu para que o projeto continuasse, mas dificuldades econômicas e principalmente a pandemia da covid impediram mais apresentações. Durante esse período, a cantora publicou, em 2016, um livro que logo se tornou bestseller: Rita Lee – Uma Autobiografia (Globo Livros).

Bruno Fraga (como Roberto de Carvalho) e Mel Lisboa em Rita Lee – Uma Autobiografia Musical. Foto Priscila Prade

Nesse primeiro livro de confissões (um segundo volume foi publicado postumamente, em que ela detalhou a fase em que lutou contra o câncer), Rita não escondeu temas delicados, como quando narrou a violência sexual que sofreu com 6 anos, quando um homem colocou uma chave de fenda em seu sexo. No livro, além de lembrar quando despontou, aos 19 anos, no meio musical com Os Mutantes, passando pela consagração nacional com a banda Tutti Frutti (1973) até a fama internacional já ao lado do marido Roberto de Carvalho, ela detalhou a infância e a juventude vividas em São Paulo.

O texto traz a mesma dicção de suas letras e entrevistas, um humor cortante que não encobre uma visão clara e precisa do seu cotidiano. Quando a obra foi adaptada para áudio livro, Rita indicou Mel como a pessoa ideal para representá-la com sua voz. Isso foi em 2022, quando a cantora lutava bravamente contra um câncer que não parecia ser facilmente derrotável.

O projeto animou a atriz a retomar a ideia de um musical, mas agora com as palavras da própria Rita. O plano vingou com a participação de Guilherme Samora, jornalista, escritor e amigo pessoal, a quem Rita carinhosamente chamava de “colecionador de mim”. Ele assumiu o roteiro de Rita Lee – Uma Autobiografia Musical.

Mel Lisboa é protagonista de Rita Lee – Uma Autobiografia Musical. Foto Priscila Prade

Samora destacou tanto a figura da mulher libertária, feminista, disposta a enfrentar qualquer batalha como também a história de amor com Roberto de Carvalho (interpretado por Bruno Fraga), seu porto seguro durante mais de quatro décadas.

“Rita compôs, cantou e popularizou o sexo do ponto de vista feminino em uma época em que isso era inimaginável. Ousou dizer o que queria e se tornou a artista mais censurada pela ditadura militar. Na época, foi presa grávida. Deu a volta por cima e conquistou uma legião de ‘ovelhas negras’. Se tornou a mulher que mais vendeu discos no país e a grande poetisa da MPB”, afirma Mel.

A atriz conta ter recebido poucas exigências da cantora para viver o papel no espetáculo. Uma delas é que usasse quatro perucas com as cores que marcam sua trajetória de vida: o castanho da infância, o loiro da adolescência, o ruivo que se tornou uma marca registrada e o grisalho da maturidade. Detalhe: as trocas precisam ser feitas em cena, diante do público. Mel conseguiu captar as principais características da cantora, como sua expressão corporal durante os shows, o sorriso matreiro, a coçada de cabeça. Para isso, ela precisou se preparar em aulas de canto e até emagrecer para ficar mais perto do físico de Rita.

Com direção de Marcio Macena e Débora DuboisRita Lee – Uma Autobiografia Musical apresenta trinta músicas da sua discografia e, já na abertura, Mel interpreta um trio de clássicos: Chega Mais, Banho de Espuma e Agora Só Falta Você

Encontros marcantes de Rita com outras celebridades são lembrados e alguns são vividos pelos mesmos atores que participaram do primeiro musical, há dez anos: Fabiano Augusto representa o cantor Ney Matogrosso, Flávia Strongolli interpreta Elis Regina, Yael Pecarovich revive Gal Costa e Débora Reis distribui selinhos como a apresentadora Hebe Camargo.

Serviço

Rita Lee – Uma Autobiografia Musical

Teatro Porto. Alameda Barão de Piracicaba, 740

Sextas e sábados, 20h. Domingos, 17h. Sessões extras: 11, 18 e 25 de maio às 16h. R$ 80 / R$ 120

Até 30 de junho

Ubiratan Brasil

Ubiratan Brasil

Formado em jornalismo pela Escola de Comunicações e Artes da USP, trabalhou com esportes na Revista Placar, Jornal da Tarde, Folha de S.Paulo e O Estado de S.Paulo, no qual fez a transição para cultura. No Caderno 2, foi editor entre 2011 e 2023, período em que cobriu o Oscar, Flip e Feira do Livro de Frankfurt, entre outros

CONFIRA MAIS

Escanear o código