canal teatro mf logo

O melhor do teatro está aqui

Search

Mostra SCENA reúne panorama italiano que discute as tensões do presente

Terceira edição do evento apresenta ‘Sátiros’, da Compagnia Virgilio Sieni, ‘O Presente Não Basta’, de Silvia Calderoni e Ilenia Caleo, e ‘CA-NI-CI-NI-CA’, de Greta Tommesani 

Por Malu Barsanelli

Uma espécie de “nostalgia do futuro” percorre os trabalhos que compõem a SCENA – Semana da Cena Italiana Contemporânea. Seja pela dança, pela comédia ou pela performance, a programação desta terceira edição da mostra, que acontece de 5 a 10 de dezembro no Sesc Pompeia, em São Paulo, busca responder a temas caros do presente, como a ascensão conservadora que se vê mundo afora. Debruça-se sobre nossos tempos, sempre de olho num futuro mais esperançoso.

“A SCENA mantém, como nas edições anteriores, seu formato e o desafio de condensar, em uma semana, um recorte que dê conta do que tem sido experimentado e consolidado nos últimos anos nas artes cênicas italianas”, diz a curadora Rachel Brumana. Na primeira edição, em 2019, a mostra focou trabalhos de vanguarda do país, e na segunda, em 2022, a produção artística feminina. Agora, ressoa a insegurança de um mundo que vê recrudescer regimes e relações de opressão.

Cena da peça Sátiros. Foto de Virgilio Sieni

“Se é difícil definir a complexidade de um país, seja o Brasil ou a Itália, a partir de traços culturais ou geopolíticos, a arte tem a possibilidade de se aproximar de muitas questões propondo perguntas nem sempre literais”, continua a curadora.

De fato, os três espetáculos presentes na programação, todos inéditos no Brasil e criados muito recentemente (entre 2022 e 2023), transitam por caminhos muito diversos para abordar a política e a sociedade atuais. A mostra procura, assim, comunicar-se com públicos diversos e explorar “a diversidade de linguagens nas artes cênicas, hibridismos e contaminações”, segundo Brumana.

Em “Sátiros (Satiri)”, a companhia Virgilio Sieni bebe na mitologia para encontrar formas de compreensão e empatia. A coreografia de Sieni, um dos nomes mais experimentais e reconhecidos da dança na Itália, traz dois bailarinos em gestos contíguos, como se buscassem uma espécie de democracia do corpo. Acompanhados por uma violoncelista e composições de Bach, se reconhecem em suas diferenças e semelhanças e olham para a figura do sátiro (ser metade humano, metade bode) como aquele que diz sim à vida.

Cena de CA-NI-CI-NI-CA. Foto Cosimo Trimboli

A atriz, dramaturga e diretora Greta Tommesani mescla realidade e ficção em “CA-NI-CI-NI-CA”, um monólogo que debate a precariedade das relações de trabalho, em especial do mercado de molhos de tomate. Como num solo de stand-up, a artista costura uma narrativa leve e cômica a uma profunda reflexão política. Trata do poder do mercado e da obsessão pela produtividade, que leva à resiliência e à auto exploração de trabalhadores.

Por fim, Silvia Calderoni (que apresentou o solo “MDLSX” na MITsp – Mostra Internacional de Teatro de São Paulo) e Ilenia Caleo se inspiram nas experimentações da cena queer nova-iorquina dos anos 1970 e 1980 para vislumbrar futuros possíveis. Em “O Presente Não Basta (The Present Is Not Enough)”, a dupla, ao lado de um elenco de performers-criadores, cria um ambiente que remete a um armazém abandonado, carregado de um estado de excitação, mas também de um senso de comunidade, carinho por estranhos. Surge ali a liberdade de corpos diversos, sem norma.

Cena da peça O Presente Não Basta. Foto Rebecca Lena

“Uma das características da arte contemporânea é o aspecto estético político da criação. Isso permite que uma obra como O Presente Não Basta’ possa se relacionar diretamente e colocar em questão um panorama atual e discursos políticos, ainda que seja um espetáculo sem palavras. A busca dos gestos simultâneos e simétricos em uma dança em duo pode estar falando de democracia. Uma jovem Greta ativista política em cena em uma performance com elementos autobiográficos é mais do que uma simpática coincidência”, diz Brumana. 

“Penso que toda forma de fazer artístico que intencione um diálogo com a sociedade seja uma ação política. Me interessam também as decisões micropolíticas que penetram uma ideia de curadoria e  acredito que o potencial do encontro desses grupos de artistas com o nosso público não se encerre nos espetáculos, mas tenham continuidade nas reflexões que eles provocam bilateralmente”, continua.

Serviço

3ª SCENA – Semana da Cena Italiana Contemporânea

Sátiros (Satiri). 5 e 6 de dezembro, terça e quarta, às 21h

CA-NI-CI-NI-CA. 7 e 8 de dezembro, quinta e sexta, às 21

O Presente Não Basta (The Present Is Not Enough). 9 e 10 de dezembro, sábado, às 21h, domingo, às 18h

Sesc Pompeia. Rua Clélia, 93. R$ 18 a R$ 60

Malu Barsanelli

Malu Barsanelli

Jornalista, formada pela UnB - Universidade de Brasília. Trabalhou em veículos como Correio Braziliense, G1, Galileu e Folha de S.Paulo, onde foi repórter de teatro e editora-assistente do caderno Ilustrada. Integra o júri do Prêmio Shell-SP e produz conteúdo para festivais e instituições, como Sesc-SP e MITsp – Mostra Internacional de Teatro de São Paulo. Atualmente, coordena a comunicação do escritório sul-americano da Pro Helvetia – Fundação Suíça para a Cultura.

CONFIRA MAIS

Escanear o código