canal teatro mf logo

O melhor do teatro está aqui

Search

“A Última Entrevista de Marília Gabriela” desnuda relação entre mãe e filho

Sinopse

Peça mostra jornalista sendo entrevistada por Theodoro Cochrane e, na conversa franca, na qual ficção e realidade se misturam, a relação familiar se transforma em um jogo perigoso

Por Ubiratan Brasil

Com o palco ainda no escuro, a trilha sonora semelhante à uma vinheta de programa de televisão anuncia a chegada no palco de uma figura esbelta e com vistosos cabelos loiros. Enquanto a música toca, é possível ver apenas seu perfil, pois a iluminação está por trás. Com fim da vinheta, o palco é iluminado e o público vê Theodoro Cochrane com um peruca semelhante aos cabelos da mãe, a apresentadora Marília Gabriela.

Essa, certamente, é uma das poucas “inverdades” apresentadas na peça A Última Entrevista de Marília Gabriela, peça que estreia no Teatro Unimed, em São Paulo. Escrito por Michelle Ferreira, com direção de Bruno Guida e realização da Rega Início Produções Artísticas, de Renata Alvim, o espetáculo simula o que diz o título, mas com apresentadora sendo entrevistada pelo filho. E, dessa conversa, feminismo, conflitos geracionais, etarismo e a fronteira entre o público e o privado são alguns dos temas abordados.

Theodoro Cochrane e Marília Gabriela estão na peça A Última Entrevista de Marília Gabriela. Foto Bob Wolfenson

“Essa vai ser mesmo minha última entrevista. Estou quase com 76 anos (completa em maio) e pretendo parar. Quero ter mais tempo para ler e fazer viagens”, contou Marília ao Canal Teatro MF. “E, por isso, achei que deveria estar em cena ao lado do meu filho caçula, pois nunca estivemos juntos no palco.”

Não espere, porém, um encontro marcado por troca de elogios e cenas amorosas – Marília e Theodoro passam a limpo diversas questões que tornaram sua relação mais difícil. A começar pela opção pelo trabalho que a apresentadora fez a partir de 1970, quando iniciou como repórter de TV. “Eu e (meu irmão) Cristiano passamos a maior parte do tempo longe dela”, conta Theodoro, hoje com 45 anos. “Especialmente quando ficamos no Brasil enquanto ela era correspondente da Globo em Londres.”

Nova cena de Theodoro Cochrane e Marília Gabriela na peça A Última Entrevista de Marília Gabriela. Foto Bob Wolfenson

A conversa franca não evita temas delicados, como as diversas insinuações que rondaram a relação de Marília com o ator Reynaldo Gianecchini, com quem esteve casada de 1999 a 2006, união que provocou boatos maldosos de que o verdadeiro par era formado por Theodoro e Reynaldo. “Diziam que a gente se conheceu em Paris, quando ambos éramos modelos, mas nunca estive na França como modelo“, rebate Theodoro. “E, no meio de tanta ficção, o fato era que eu e o Giane fizemos muito sexo naqueles anos todos”, conta Marília.

No espetáculo, também é citada a entrevista que Marília fez com a cantora Madonna, em 1998, que rendeu muitos comentários por considerá-la desastrosa. O evidente descaso da artista foi creditado à uma provável falta de preparo de Marília. “Realmente, nada deu certo, foram 50 minutos intermináveis”, relembra. “E seu inglês também era ruim”, dispara Theodoro, dando o tom das provocações trocadas com a mãe, nas quais ele se autodenomina como simplesmente o “filho da Marília Gabriela“.

Marília Gabriela é a protagonista de A Última Entrevista de Marília Gabriela. Foto Bob Wolfenson

Para tornar o espetáculo mais ágil, algumas cenas foram criadas. O público, por exemplo, é convidado a escrever perguntas para Marília, que serão sorteadas e feitas por Theodoro em cena. Aqui, três questões são sempre formuladas, independente de terem ou não sido escritas pela plateia: a relação com Gianecchini, a entrevista com a Madonna e se Marília teve problemas com a própria mãe.

Outro momento que promete ser saboroso acontece no final da peça, quando Marília escolhe alguém na plateia que, se aceitar, será entrevistado por ela no palco. “A peça é uma metalinguagem que trabalha no limiar da ficção com a realidade pública e privada que sempre permeou a nossa biografia. Para rir e chorar dessa história, era preciso chacoalhar tudo”, conta Theodoro. “É uma peça que traz uma honestidade chocante sobre uma relação”, completa Marília.

Serviço

A Última Entrevista de Marília Gabriela

Teatro Unimed.  Alameda Santos, 2159

Sextas e sábados, 20h. Domingos, 18h. R$ 100 / R$ 180

Até 28 de julho. Estreia 3/5

[acf_release]
[acf_link_para_comprar]

Ficha Técnica

[acf_ficha_tecnica]

Serviço

[acf_servico]