canal teatro mf logo

O melhor do teatro está aqui

Search

Pulgas acrobatas invadem museu no Ibirapuera

Sinopse

Cia. Circo de Bonecos ocupa o Teatro do MAM nos domingos de outubro e consolida o espaço como novo reduto de teatro de animação em São Paulo

Por Dib Carneiro Neto

Nos dias 21, 22, 28 e 29 de outubro e no feriado de 2 de novembro, sempre em duas sessões, às 11 e às 15 horas, o auditório Lina Bo Bardi do MAM São Paulo – sim, um museu – será palco da peça Circo de Pulgas, da Cia. Circo de Bonecos – um espetáculo infantil inspirado na tradicional atração de pulgas de origem francesa do século 18.

Por si só, a promissora temporada desse espetáculo já seria motivo para uma reportagem entusiasmada, afinal é uma peça premiada, de uma companhia consagrada e, além disso, apoiada na renovação muito bem-vinda de um número clássico do circo. Mas há mais do que isso tudo para se comemorar: trata-se de mais um decisivo passo na consolidação de um novo espaço para teatro infantojuvenil na cidade de São Paulo. Mais ainda: um novo espaço dentro de um museu e que pode vir a ser um teatro especializado em animação. Isso não é pouca coisa. Circo de Pulgas já é a terceira peça de bonecos/objetos este ano em cartaz no Teatro do MAM. “Hoje, não temos nenhum teatro dedicado exclusivamente a bonecos no Brasil, ao contrário de tantos outros países”, comenta Márcio Lourenço, que assina a curadoria de programação. “Por que não fazer do MAM esse lugar? Estamos fomentando um espaço novo, onde as famílias podem não apenas aproveitar o teatro, mas visitar exposições, tomar um café e até mesmo almoçar.” Márcio relembra que as duas primeiras temporadas – Onheama, uma ópera de bonecos da companhia Pequeno Teatro do Mundo, e Macaco Simão e Outras Histórias, da Furunfunfum – foram ótimas e muito bem aceitas pelo público. Ele diz: “Na primeira, em apenas três dias recebemos mais de 300 pessoas. Na segunda, tivemos o dia da criança, por exemplo, em que apenas na sessão da manhã apareceram mais de 90 pessoas para assistir ao espetáculo.”

“Hoje, não temos nenhum teatro dedicado exclusivamente a bonecos no Brasil, ao contrário de tantos outros países”, comenta Márcio Lourenço, que assina a curadoria de programação. “Por que não fazer do MAM esse lugar? Estamos fomentando um espaço novo, onde as famílias podem não apenas aproveitar o teatro, mas visitar exposições, tomar um café e até mesmo almoçar.” Márcio relembra que as duas primeiras temporadas – Onheama, uma ópera de bonecos da companhia Pequeno Teatro do Mundo, e Macaco Simão e Outras Histórias, da Furunfunfum – foram ótimas e muito bem aceitas pelo público. Ele diz: “Na primeira, em apenas três dias recebemos mais de 300 pessoas. Na segunda, tivemos o dia da criança, por exemplo, em que apenas na sessão da manhã apareceram mais de 90 pessoas para assistir ao espetáculo.”

Circo de Pulgas – foto Teka Queiroz

Palco intimista é ideal para bonecos

Foram dois abre-alas muito importantes para o projeto de ocupação da sala, que tem 170 lugares. O  Museu de Arte Moderna de São Paulo, localizado no Parque Ibirapuera, a mais importante área verde de São Paulo, foi fundado em 1948, tendo a arquiteta Lina Bo Bardi à frente da adaptação do edifício. Hoje, o teatro-auditório leva seu nome. “O espaço do MAM (Auditório Lina Bo Bardi) é intimista e sua estrutura de palco é enxuta”, acrescenta Márcio Lourenço. “Em conversa com o gestor da área de negócios e eventos do museu, Fernando Araújo, concluímos que seria então muito interessante abrir espaço para os bonecos. A ideia é que possamos ocupar o auditório com uma programação contínua para 2024. Seria o melhor dos cenários poder incentivar pequenos produtores culturais ao formatar um edital para avaliar e contratar as próximas atrações. O resultado positivo deste início indica que esses serão, sim, os passos futuros do projeto.” Ainda para 2023, depois do Circo de Pulgas, existe a possibilidade de mais uma atração. nos domingos de novembro. Mas Márcio diz que ainda estão em fase de negociação.”

            O Canal MF foi falar também com o gestor do projeto de infantis no MAM, Fernando Araújo: “Venho da produção cultural e trabalhei com projetos para crianças por mais de 15 anos. Assim que entrei no MAM, em novembro de 2022, o formato intimista do auditório me encantou e vi um imenso potencial em transformá-lo em um espaço para acolher os espetáculos infantis. Ao longo das primeiras apresentações, observamos que as famílias não conheciam nem frequentavam o MAM. Não sabiam nem que tínhamos um restaurante ali no prédio há mais de 20 anos. Isso foi uma grande surpresa para mim. Conseguimos trazer um novo público para perto e criar memórias nas crianças, que não apenas se conectam ao teatro mas à frequência a um museu. O olhar de curador do Márcio Lourenço e suas sugestões para os espetáculos estão em total sintonia com o que idealizei para o espaço. Temos planos ambiciosos para o próximo ano e acredito que possamos ter um espaço que se torne referência na recepção do teatro infantil, lembrando que nos últimos anos perdemos algumas salas em São Paulo.” Fernando arremata: “Acredito na pluralidade cultural dos museus e na diversidade de usos para capturar diversos públicos. Temos um desafio para fazer a engrenagem funcionar de forma contínua e nossas ações até o momento têm sido extremamente positivas.”

Humor vem dos truques que não funcionam

            Claudio Saltini, da cia. Circo de Bonecos, exultou ao saber da novidade e que seu grupo ocuparia o teatro do MAM nos domingos de outubro. Ele declara: “Finalmente a cidade de São Paulo está ganhando um espaço para o teatro de bonecos!  Espaços assim existem em Paris, Londres, Nova York…  Agora em São Paulo! Justamente neste momento em que a cultura está retomando o seu caminho!  Vamos fazer de tudo para que esse novo espaço venha para ficar! Por isso preparamos a reestreia de um dos nossos maiores sucessos: Circo de Pulgas!”

Em 2010, Circo de Pulgas se saiu vitorioso nos mais importantes prêmios para o teatro infantojuvenil de São Paulo: levou o Prêmio FEMSA de melhor espetáculo, melhor ator e melhor trilha sonora, e o Prêmio APCA de melhor espetáculo infantil. Na divertida montagem, dois clowns combinam de apresentar um show acrobático com pulgas.  Mas nada dá certo, os truques não funcionam e as coisas não saem como planejado. A reconstituição do pequeno picadeiro e o estudo  das técnicas de manipulação serviram de base para o jogo clownesco da Cia. Circo de Bonecos. “Queremos resgatar o encantamento e a delicadeza dos antigos circos de pulgas, ao mesmo tempo em que podemos recriar um espaço para a fantasia e a imaginação das crianças”, diz Saltini. “A pulga não existe, mas todos conseguem enxergá-la pulando do trampolim, andando na corda bamba ou tomando banho, graças aos detalhes nos movimentos precisos dos atores. E a plateia é coautora porque é convidada a criar a personagem principal, num exercício de imaginação constante. Um espetáculo para adultos e crianças rirem juntos do começo ao fim.”

Circo de Pulgas – foto Teka Queiroz

Desafio é fazer o público ‘enxergar’ as pulgas

Teka Queiroz fala de sua direção para Circo de Pulgas: “É o primeiro trabalho da Cia. Circo de Bonecos em que o boneco é invisível! A primeira dificuldade foi encontrar os movimentos, traquitanas e engenhocas que criariam a ilusão dos movimentos da pulga. A segunda foi o mais difícil: os atores tinham de fazer com que o espectador imaginasse e criasse a pulguinha dentro da sua imaginação. É o espectador que dá vida à pulga, mas é o ator que faz com que isso aconteça! Esse trabalho exigiu meses de ensaio e estudos.”

A inspiração para o espetáculo, segundo a diretora, veio de forma muito especial e particular. Eis o seu relato: “A ideia de fazer um Circo de Pulgas já vinha há muitos anos nos rodeando. Todo mundo que trabalha com bonecos sonha com um circo de pulgas! Estávamos nessa busca, mas faltava uma narrativa, um roteiro dramático que justificasse a trama. A história finalmente nos surgiu em um momento muito autoral, pessoal e emotivo para nós. Coincidiu com o impacto da saída de casa do filho, para ir estudar fora, na Universidade. A construção de uma pulga filhota que precisa crescer e encontrar a própria jornada foi contingencial e circunstancial. Tínhamos de elaborar as nossas emoções!” Como deu certo…

Neste ano de 2023, a Cia Circo de Bonecos já participou de alguns festivais muito importantes para Infância e Juventude: Festival de Bonecos em Mariana e Macacos – MG, Festineco em Brasília – DF, Animaneco em Joinville – SC, Festival Literário do Vale do Ribeira 2023 – SP, Fenatib em Blumenau – SC, Festival de Circo na Unibes – SP e Festival de Bonecos em Indaiatuba – SP. Mas a diretora Teka Queiroz lembra que essa retomada pós-isolamento da pandemia tem sido gradual. “Os desafios para superar e retomar o movimento cultural brasileiro ainda estão em curso”, diz ela. “Fazíamos cerca de 150 apresentações por ano antes da pandemia.  Este ano chegaremos a 40 apresentações! Estamos recomeçando! Portanto a reestreia do Circo de Pulgas, parado desde a pandemia, está sendo muito valorosa. Era mesmo o nosso plano para este ano: reconstruir o nosso repertório.”

Serviço:
Teatro no MAM
Peça: Circo de Pulgas, com Cia Circo de Bonecos
Sábados, domingos e feriado, às 11h e 15h
Dias: 21, 22, 28 e 29 de outubro e 02 de novembro de 2023.
Auditório Lina Bo Bardi (MAM – Museu de Arte Moderna de São Paulo). Avenida Pedro Álvares Cabral, s/n, Ibirapuera, São Paulo.
Ingressos R$ 50,00 (inteira); R$ 25,00 (meia) / amigo MAM: $ 15,00 (dois lugares por CPF) através do site mam.org.br/ingressos
Duração: 50 minutos
Classificação: Livre

[acf_release]
[acf_link_para_comprar]

Ficha Técnica

[acf_ficha_tecnica]

Serviço

[acf_servico]
Escanear o código