canal teatro mf logo

O melhor do teatro está aqui

Search

JUDY O arco-íris é aqui

Depois do sucesso de público e crítica na temporada do Rio de Janeiro, Flavio Marinho traz a São Paulo o musical

JUDY – O ARCO-ÍRIS É AQUI

Texto e direção de Flávio Marinho

Direção musical Liliane Secco

Com Luciana Braga interpretando Judy Garland

Estreia dia 07 de abril no Teatro FAAP

Luciana Braga dá vida a Judy Garland

Através de uma dramaturgia de auto ficção e direção de Flavio Marinho, em que sua própria história da atriz brasileira se funde a da atriz norte-americana, jogando luz sobre as lutas internas e externas que o artista até hoje enfrenta. A Luciana é acompanhada em cena pelos músicos André Amaral e Liliane Secco, que assina também a direção musical

Indicado aos Prêmios CESGRANRIO 2022 de melhor atriz em musical e melhor direção musical, o espetáculo foi criado em comemoração aos 35 anos de carreira de Marinho e ao centenário da lendária atriz e cantora Judy Garland (1922-1969), estrela da era de ouro de Hollywood.

Judy Garland, considerada um dos maiores nomes da era de ouro de Hollywood, e mãe da também atriz e cantora Liza Minnelli, se eternizou pela carreira brilhante iniciada ainda na tenra infância, crescendo acompanhada pelos olhos de um mundo inteiro, até o final. Sua atuação aos 16 anos como Dorothy no filme “O Mágico de Oz” (1939), e sua interpretação para a canção “Over The Rainbow” tornaram-se um clássico, e marco definitivo na indústria cinematográfica. Por este trabalho a atriz ganhou um Oscar Juvenil, prêmio honorário concedido poucas vezes pela ‘Academia’ a artistas menores de 18 anos em reconhecimento à sua “excepcional contribuição ao entretenimento na tela”. 

Em seus 47 anos de vida, Judy Garland atuou em 38 filmes. Este mesmo público que acompanhou suas glórias, foi também testemunha das suas tragédias familiares e da luta contra as drogas e o álcool, mas pouco sabe sobre o humor e inteligência agudos de Judy, uma mulher que sabia rir de si mesma.

O musical “Judy – o arco-íris é aqui” fala de uma faceta pouco conhecida da estrela, e da capacidade do ser humano se reinventar e se redescobrir, assim como fez Judy, muitas vezes longe do olhar do seu público.

A peça entrelaça, de forma não linear, a biografia de Judy Garland com a história pessoal de Luciana Braga, numa metalinguagem que navega entre passado e presente, ficção e realidade. 

São executados ao vivo, em trechos ou íntegra, 14 sucessos de Judy, entre eles as emblemáticas “Over The Rainbow”, “The Man That Got Away”, “Get Happy”, “That’s  Entertainment”.

“Quando ‘Judy’ estreou em junho passado, no dia do centenário dela, tudo era uma incógnita. O público teria coragem de ir ao teatro por causa da pandemia? Como eles reagiriam diante de um musical biográfico não tradicional, onde são contadas as vidas da personagem e da atriz? A aceitação do público – de várias gerações – e da crítica foi enorme e imediata. Ganhamos segurança e coragem para trazer para São Paulo um espetáculo que deu tanto prazer a nós e aos outros. Sem falar no êxtase provocado por Luciana Braga. Arrebatadora.”, conta Flavio Marinho.

Sobre a montagem, o diretor explica:  “o espetáculo se sustenta no tripé da trajetória artística de Judy: o cinema, a TV e o music hall. Três veículos de representação artística com encontro marcado em um: o teatro.

A opção pela “auto ficção” veio naturalmente, para enfatizar o paralelo entre as vidas do artista brasileiro e estrangeiro. Longe de tentar mimetizar os jeitos e trejeitos da Judy atriz e cantora, o espetáculo assume um tom de ambiguidade em que a própria trajetória de Luciana – desde criança perseguida por ser ‘parecida com Judy Garland’ – estará em cena a ponto de levar o espectador a se interrogar quem está no palco: Luciana, falando de Judy, Luciana ‘Incorporando’ Judy ou Luciana falando de Luciana – que também se reinventa como Judy. ”

JUDY – O arco-íris é aqui

Local: Teatro FAAP (486 lugares)

Rua Alagoas, 903 – Higienópolis

Bilheteria: de quarta a sábado das 14h às 20h e domingo das 14h às 17h. Em dia de espetáculo até o início do mesmo.

DURAÇÃO: 90 minutos

CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: 12 anos

Temporada: 7 de abril a 28 de maio

 De sexta e sábado 20h e domingos às 18h.

Ingressos:

Plateia R$120,00 e Mezanino R$ 50,00

Vendas on line: teatrofaap.com.br

Trilha do Espetáculo

1 – Introdução instrumental de “Se Eu Quero, Vou Cantar”

2 – Introdução instrumental de “YOU MADE ME LOVE YOU” (Songwriters: J. Mccarthy / J. Monaco / J. Bescos)

3- Introdução instrumental de “I Got Rhythm” (Songwriters: George Gershwin / Ira Gershwin)

4 – Trecho de “We’re Off To See The Wizard” (Arlen Harold / Harburg E Y)

5 – Introdução instrumental de “ZING! WENT THE STRINGS OF MY HEART” (Songwriters: James F. Hanley)

6 – “Rock-A-Bye Your Baby With a Dixie Melody” (Songwriters: Jean Schwartz / Joe Young / Sam M. Lewis)

7 – Introdução instrumental de “Trolley song”  (Hugh Martin e Ralph Blane)

8 – Introdução instrumental de “HAVE YOURSELF A MERRY LITTLE CHRISTMAS” (Songwriters: Blane Ralph / Martin Hugh)

9 – Introdução instrumental de “GET HAPPY” (Songwriters: Harold Arlen / Ted Koehler)

10 – Introdução instrumental de “THE MAN THAT GOT AWAY” ((Harold Arlen / Ira Gershwin)

11 – Overture Instrumental de “JUDY AT CARNEGIE HALL” 

12 – “THAT’S ENTERTAINMENT”

(Songwriters: Howard Dietz / Arthur Schwartz)

13 – Introdução instrumental de “FOR ONCE IN MY LIFE” (Songwriters: Ronald N. Miller / Orlando Murden)

14 – Introdução instrumental de “OVER THE RAINBOW” (Judy Collins, 1955)

FICHA TÉCNICA

Autor e Diretor: Flavio Marinho

Elenco: Luciana Braga

Diretora Assistente: Juliana Medella 

Diretora Musical e Arranjadora: Liliane Secco 

Músicos (teclados): Liliane Secco e André Amaral 

Preparador Vocal: Felipe Abreu

Fonoaudióloga: Angela de Castro 

Cenógrafo e Figurinista: Ronald Teixeira

Assistente de Cenário e Figurino: Ricardo Junior e Jovanna Souza

Alfaiate: Macedo Leal

Coreógrafa: Tânia Nardini

Iluminador: Paulo César Medeiros 

Caracterizador: Beto Carramanhos

Operador de Luz: Marco Cardi 

Operador de Som: Vitor Granette

Cenotécnico: Sr. Humberto

Designer Gráfico: Gamba Jr.

Fotógrafa: Beti Niemeyer

Social Media: Marcus Vinicius de Moraes

Produtor Executivo e Diretor de Cena: Marcus Vinicius de Moraes

Assistente de Produção: Márcia Serra 

Assistente Administrativo: Mádia Barata 

Contabilidade: Guararapes Contabilidade

Assessoria Jurídica: Roberto Silva

Diretor de Produção e Administração: Fábio Oliveira

Coordenador de Projeto: Flavio Marinho

Assessoria de Imprensa: Morente Forte 

O QUE DIZ A CRÍTICA

“Luciana Braga nasce como cantora na cena íntima do musical ‘Judy – O arco-íris é aqui’”

Mauro Ferreira, G1, blog Pop e Arte

“É sim, uma conversação com um mito do audiovisual. Conversação essa que desnuda imperativos e deixa exposta uma humanidade em seu estado mais cru.”

Rodrigo Fonseca, Estadão, blog P de Pop

“Encenação sintonizada pela reconhecida autoridade cênica de Flávio Marinho, sob a força arrasadora de um texto de envolvência sensorial.”

Wagner Correa, blog Escrituras Cênicas

“Irretocável e comovente atuação de Luciana Braga.”

Gilberto Bartholo, blog O Teatro Me Representa 

“Nesses 90 minutos recebemos coragem, amor e inteligência.” 

Claudia Chaves, jornais Diário do Rio e Correio da Manhã

JUDY GARLAND

Judy Garland (1922-1969), atriz e cantora norte-americana, foi estrela da ‘Era de Ouro’ dos filmes musicais de Hollywood. Lembrada até hoje pela personagem Dorothy, do filme “O Mágico de Oz”, em seus 47 anos de vida, atuou em 38 filmes.

Judy Garland nasceu em Minnesota, Estados Unidos, no dia 10 de junho de 1922. Filha dos atores Francis Avent Gumm e Ethel Marion Milne, fez sua primeira apresentação com dois anos e meio de idade, junto às duas irmãs mais velhas, no palco do teatro do pai, durante um show de Natal, cantando “Jingle Bells”, acompanhada por sua mãe ao piano.

Em 1928 “The Gumm Sisters”, formado por Mary Jane, Frances Ethel (Judy Garland) e Dorothy Virgínia, iniciam um curso de dança com Ethel Meglin, proprietária do grupo de dança Meglin Kiddies. Com a ajuda de Meglin, em 1929, Judy e suas irmãs fizeram suas estreias no cinema, em “Revue Big”, participando de várias gravações na sequência. Em 1934, o trio muda seu nome para “Garland Sisters” e Frances muda seu nome para Judy. Em 1938, aos 16 anos, interpreta Dorothy no filme “O Mágico de Oz”, cantando “Over The Rainbow”. Em 1940, interpreta seu primeiro filme adulto, “The Little Mellie Kelly”. Em 1944, roda um dos mais bem sucedidos filmes pela MGM, “Meet me in St. Louise”.

Em 1947, Judy sofre um colapso nervoso, sendo levada para um sanatório privado. Em julho desse mesmo ano, faz sua primeira tentativa de suicídio. Entre vários relacionamentos, Judy Garland teve três filhos: Liza Minnelli, filha de Vincent Minnelli (famosa pelos filmes Cabaret e New York, New York), Lorna Luft (atriz e cantora) e Joe Luft, filhos de Sydney Luft.

Em 1951, Judy inicia uma temporada com dois espetáculos no Palace Theatre com grande sucesso. A vida da estrela inspirou o filme “Nasce Uma Estrela”, que teve Barbra Streisand como protagonista. Judy Garland faleceu em Londres, no dia 22 de junho de 1969.

FLAVIO MARINHO – autor e diretor

Flavio Marinho, dirigiu mais de 90 espetáculos entre teatro e shows, escreveu 26 peças, adaptou 22, traduziu 23 textos, foi redator e/ou colaborador em mais de 30 programas de TV, escreveu o roteiro de 13 shows, tem 19 livros publicados, 7 prêmios e 12 indicações. Durante 14 anos, atuou como crítico teatral e repórter especializado nos jornais “Tribuna da Imprensa”, “Última Hora” e “O Globo”, e colaborador fixo de revistas como “Vogue”, “Visão”, “Elle” e “Manchete”. Atualmente integra a equipe de autores da novela das 18h da TV Globo, “Além da Ilusão”.

Entre seus textos originais, estão sucessos como “A Vingança do Espelho: A História de Zezé Macedo”, “Abalou Bangu 2: A Festa”, “Além do Arco-íris”, “Cauby! Cauby!”, “Coração Brasileiro”, “Salve Amizade”, “Splish, Splash”, entre outras.

Assinou as versões brasileiras de “Noviças Rebeldes” de Dan Goggin, “Um Caso de Vida ou Morte” de David Mamet, “Aluga-se um Namorado” de James Sherman, “Boeing Boeing” de Marc Camoletti, a versão masculina de “Na Sauna” de Nell Dunn, “Baby – O Musical”; “I Do! I Do!”/“Sim, Eu Aceito!”, de Tom Jones.  Traduziu peças como “O Manifesto” de Brian Clark, “A Pequena Loja dos Horrores”, “Descalços no Parque” de Neil Simon, “O Fiel Camareiro” de Ronald Harwood, “Charity, Meu Amor” de Neil Simon, “A Rosa Tatuada” de Tennessee Williams, “O Homem Inesperado” de Yasmina Reza, para citar algumas. 

Entre suas direções teatrais estão “Abalou Bangu 1 e 2”, “Além do Arco- Íris”, “Cauby! Cauby!”, “Um Caminho Para Dois”, “Nosso Amor a Gente Inventa”, “Coração Brasileiro”, “Salve Amizade”, “Os 7 Brotinhos” e muitas outras. 

Dirigiu e/ou roteirizou shows de Selma Reis, Olívia & Francis Hime, Cláudia Netto, Sylvia Massari & Tadeu Aguiar, grupo Boca Livre, Stella Miranda, Edson Cordeiro, Ângela Maria e Cauby Peixoto, Rafael Rabello, Tânia Alves, Zé Renato, Mário Adnet, Nonato Luiz, Danilo Caymmi.

Na TV, foi redator da pioneira série “Malu Mulher”; escreveu textos para o “Criança Esperança”; colaborou no roteiro de shows de final de ano de Roberto Carlos; colaborador ou redator dos programas “Escolinha do Professor Raimundo”, “Sai de Baixo”, “Zorra Total”, “Vídeo Show Ao Vivo”, “Gente Inocente”, “Jovens Tardes”. Criou o especial musical “Som Brasil”, do qual foi um dos roteiristas. Autor colaborador das novelas “Bambolê”, “Negócio da China”, “Aquele Beijo”, e atualmente “Além da Ilusão”, no ar na TV Globo; redator dos seriados “A Vida Alheia, “Pé Na Cova”, “Sexo e as Nêga”, “Brasil a Bordo”.

Sinopse

Ficha Técnica

Serviço

Escanear o código