canal teatro mf logo

O melhor do teatro está aqui

Search

Grupo Galpão celebra a vida pós pandemia em “Cabaré Coragem”

Sinopse

Tradicional trupe, que se apresentou no Festival de Curitiba, mescla repertório de músicas interpretadas ao vivo com números de variedades e danças, fragmentos de textos de Brecht e cenas de dramaturgia própria

Por Ubiratan Brasil

O lugar onde acontece a trama não inspira confiança, os cantores e dançarinos parecem eternamente cansados mas, como se trata de um espetáculo do Grupo Galpão, a alegria é contagiante. Depois de passar por várias cidades e de ser um dos destaques do Festival de Curitiba, Cabaré Coragem chega ao Sesc Belenzinho.

Trata-se de uma viagem sonora e visual, comandada por uma trupe trupe envelhecida e decadente. Mas não se engane. “A gente sempre quis que fosse um espetáculo muito festivo, com muito humor, muita alegria e muita crítica social”, disse o diretor e ator Julio Maciel, em entrevista coletiva em Curitiba, onde acontece o festival até o dia 7.

Cena de Cabaré Coragem, do Grupo Galpão. Foto Bruna Brandão

As apresentações na capital paranaense, aliás, foram marcadas por muito entusiasmo do público nas duas apresentações. Nada surpreendente pois a tradição do Galpão, fundado em novembro de 1982 e originado no teatro popular e de rua, é a de derrubar a separação entre palco e plateia e convidar o público a compartilhar da encenação.

A alegria em cena é uma resposta a um dos mais sombrios momentos vividos recentemente pela humanidade, a pandemia da covid. “O espetáculo tem essa ligação direta com aquele momento. Depois que a situação melhorou, queríamos reencontrar o público. E o que acontece é um encontro muito intenso, quase uma catarse”, comenta Maciel. “Mas a alegria nem sempre é fácil, e é por isso que a peça se chama Cabaré Coragem. A palavra ‘coragem’ acompanha o Grupo Galpão há muitos anos. Precisamos de muita coragem pra sobreviver como artistas durante a pandemia e o governo anterior.”

Maciel conta que, durante a pandemia, os integrantes ficaram imersos na leitura da obra do alemão Bertolt Brecht. “Em uma dessas reuniões, a palavra ‘Cabaré’ foi mencionada, gerando várias perguntas sobre que tipo de Cabaré queríamos: Brechtiano, brasileiro, clássico, jovem, contemporâneo, político, feroz, drag, vedete, teatro de revista? E o teatro em si? O que o diferencia do Cabaré? Surgiram ideias como um Cabaré de Beira de Estrada, um Inferninho com tipos excêntricos, ou um show para nos reconectar com o público.”

Cena de Cabaré Coragem, do Grupo Galpão. Foto Bruna Brandão

O musical foi montado a partir de fragmentos de textos de Brecht unidos a trechos de dramaturgia própria, além das canções, escolhidas pelo próprio elenco. “São referências brasileiras, de funk e de rock, por exemplo. Então, o chão da peça é Brecht, mas tem também essa outra camada que os atores trouxeram”, conta Luiz Rocha, responsável pela direção musical, arranjos e trilha sonora. No palco, os atores e atrizes encarnam figuras de um decadente cabaré, onde apresentam números de canto, dança, acrobacia e outros entretenimentos.

Responsável pela supervisão dramatúrgica, Vinicius de Souza explica que Cabaré Coragem – cujo nome faz menção à icônica personagem de Brecht, Mãe Coragem – é um espetáculo que, por meio da música e do humor, permite que as pessoas pensem no velho sistema em que vivem, no qual alguns poucos levam uma vida de privilégios, enquanto a maioria sente fome.

“O espetáculo nasceu de uma série de experimentos cênicos realizados pelo Galpão nos últimos meses. Eles se deram a partir de pesquisa sobre a linguagem do cabaré – que mistura música, teatro, dança – e a obra poética e musical de Bertold Brecht, o famoso diretor teatral alemão”, destaca ele, lembrando que o público é convidado a cantar, dançar e também bebericar uma aguardente, distribuída aos interessados entre as fileiras.

“No entanto, ao modo das personagens de Brecht, as figuras desse cabaré são extremamente carentes, vítimas da guerra e da exploração, esquecidas ou marginalizadas, mas cheias de sonhos e pulsões de vida”, conta Vinicius.

*O repórter viajou a convite do Festival de Curitiba

Serviço

Cabaré Coragem

Sesc Belenzinho R. Padre Adelino, 1.000

Quinta a sábado, 20h30. Domingo, 18h30. R$ 50

Patrocínio: Instituto Cultural Vale, Petrobrás, Cemig

Até 5 de maio

[acf_release]
[acf_link_para_comprar]

Ficha Técnica

[acf_ficha_tecnica]

Serviço

[acf_servico]
Escanear o código