canal teatro mf logo

O melhor do teatro está aqui

Search

BABY – Você precisa saber de mim

Sinopse

BABY – Você Precisa Saber de Mim

Com  Rafael Primot

Participação em Off de Marjorie Estiano

 

            Baby – Você Precisa Saber de Mim é um monólogo interpretado e escrito por Rafael Primot , que narra a história sobre o amor e o afeto entre dois irmãos que precisam lidar e se amparar diante da possível morte de sua mãe enferma. 

            Primot interpreta Edu, um escritor de rótulos e embalagens que precisa revistar seu passado e a sua família no interior depois de um longo período morando na cidade grande. À medida em que ele narra essa volta ao lar e seus momentos de desentendimentos e afeto com a irmã e o pai, revive lembranças de sua vida na casa de família, especialmente aquelas em que está ao lado da mãe. Um espetáculo que brinca com os limites entre a narrativa ficcional e a realidade biográfica.

            Com essa trama, a peça faz um retrato de uma família comum e aparentemente perfeita que é tomada de surpresa por uma doença que vai transformar seus destinos e relações. E é ela que fará ressurgir o amor e reaproximar os que permanecem vivos.

“Nem tudo é verdade, nem tudo é ficção”

“Uma história sobre o amor e o afeto entre dois irmãos”

            O tema central é a relação familiar diante de uma possível morte, do tempo limitado dado por uma doença irreversível e como (re) aprender a seguir adiante. Trata-se, portanto, de um espetáculo otimista sobre amor, afeto e união familiar de maneira singela e singular. Principalmente é sobre VIDA e a maneira se viver, nossas escolhas, a distância e a aproximação entre familiares.

Alguns desses momentos foram inspirados em uma história real e (re)vividos pelo autor, misturado com histórias ouvidas e captadas, tudo junto e misturado, para então ser compartilhada de maneira particular em um texto extremamente original, com uma visão singular e inovadora.

            BABY – VOCÊ PRECISA SABER DE MIM é idealizado e dirigido por Rafael Primot que apresenta um histórico de prêmios e participações em importantes festivais com suas obras, como GATA VELHA AINDA MIA, e TODO CLICHÊ DE AMOR, além de ter trabalhado com importantes diretores e companhias teatrais ao longo de sua carreira.

            O espetáculo traz uma história comum a todos, e torna-se, portanto, capaz de criar uma profunda identificação com o espectador. Mas o mais importante disso é que, neste momento tão devastador que vivenciamos, o espetáculo ainda mostra que é possível ressignificar a dor e reconstruir a vida ao tratar o fio condutor – o retorno ao lar – com uma abordagem nova, honesta e otimista.

            “Estamos revisitando nossas casas, nossos amores, a pandemia nos obrigou a olhar mais para dentro de nós mesmos, para nosso lar e nossos entes queridos”, relaciona Primot. “Falamos de amor, amor fraternal, familiar, frustrações, mas também apontamos um caminho esperançoso numa situação de perda dentro da família”, diz o diretor sobre esta história que aborda assuntos necessários e urgentes como o luto, a família, o amor e a trajetória dos protagonistas na busca da compreensão sobre si mesmo de maneira verdadeira, real e emocionante.

Ficha Técnica

Ficha Técnica

Texto e Atuação: Rafael Primot

Direção: Rafael Primot e Rodrigo Frampton

Figurinos: Débora Falabella

Iluminação: Sarah Salgado

Trilha Sonora: Marcelo Pellegrini

Cenário: Marco Lima

Designer gráfico: Haroldo Miklos

Voz em off: Marjorie Estiano

Fotos: Kim Leekyung

Administração: Rodrigo Frampton

Assessoria de Imprensa:  Beth Gallo e Thais Peres

Coprodução: Morente Forte Comunicações

Produção: Enkapothado Artes

Patrocínio: Unimed

Apoio: Viva Cultural

RAFAEL PRIMOT

               No teatro tem uma sólida carreira, tendo sido indicado ao Prêmio Shell, Prêmio CesgranRio, APTR, Prêmio da Cooperativa Paulista de Teatro. Atuou em espetáculos como O Inverno da Luz Vermelha e A Gaivota. Como diretor, tem entre seus trabalhos mais recentes Chuva Não, Tempestade, Os Guardas do Taj, Como Ter Uma Vida Quase Normal. Primot vem desenvolvendo uma constante e sólida carreira como realizador, sendo apontado pelo Estado de S.Paulo (Caderno 2/ 2017/ Ubiratan Brasil) como “criador incansável, um dos artistas mais promissores e atuantes de sua geração” tendo como foco as relações humanas.

               No cinema, dirigiu longas como Todo Clichê do Amor, Gata Velha Ainda Mia, Manual Para Atropelar Cachorro, entre outros, e recebeu cerca de 27 prêmios em festivais nacionais e internacionais como ator, diretor e/ou roteirista. Na televisão, participou de algumas novelas e minisséries como Hebe, Aruanas, Sessão de Terapia, As Cariocas, Tapas e Beijos, O Astro, A Lei do Amor. Seu papel mais recente em novelas foi como o pintor Osiel em “Deus Salve o Rei” e “Um Lugar ao Sol.       Atualmente, está em pré lançamento da série “Chuva Negra”, seriado do Canal Brasil e Globoplay, onde atua, dirige e escreve.

MORENTE FORTE

               Selma Morente e Célia Forte, sócias da Morente Forte Comunicações, empresa especializada em assessoria de imprensa e produção na área cultural desde 1985, direcionam exclusivamente suas atividades às artes cênicas. Participação em mais de 1500 espetáculos teatrais, com ampla experiência de relações públicas em assessoria de imprensa e planejamento para realização de grandes espetáculos, protagonizados pelos maiores artistas nacionais.

PRODUÇÃO DE DESTAQUE

– Quadrante, com Paulo Autran (durante 12 anos).

– O Céu tem que esperar, com Paulo Autran, direção Cécil Thiré.

– Essa nossa Juventude Direção Laís Bodansky.

– Trair e Coçar é só Começar com Denise Fraga e elenco.

– Cruel de August Strindberg, com Reynaldo Ginecchini, Maria Manoella e Erik Marmo. Adaptação e direção Elias Andreato.

– Boca de Ouro, com Marco Ricca e grande elenco.

– O Desaparecimento do Elefante, de Haruki Murakami, direção Monique Gardenberg e Michele Matalon.

– Meu Deus! de Anat Gov. Com Irene Ravache, Dan Stulbach e Pedro Carvalho. Direção Elias Andreato.

– Os Guardas do Taj, com Reinaldo Gianecchini dir. Rafael Primot

– Como ter uma Vida Quase Normal, monólogo com Monique Alfradique dir. Rafael Primot

Serviço

BABY – Você precisa saber de mim

 

Escanear o código